XP cria prêmio Mulheres que Transformam; saiba como votar nas finalistas

XP cria prêmio Mulheres que Transformam; saiba como votar nas finalistas

- in Notícias
0
Comentários desativados em XP cria prêmio Mulheres que Transformam; saiba como votar nas finalistas

Indicadas foram escolhidas por uma banca de curadoras reconhecidas no mercado, como Vivianne Senna, do instituto Ayrton Senna, e Fiamma Zarife, do Twitter

 

 

Aos poucos, passa a ser possível encontrar mais mulheres em posições de liderança no Brasil e no mundo, principalmente em empresas com cultura organizacional mais avançada e quando a diversidade é valorizada.

E é com uma lente de aumento para esse assunto que a XP Inc. destaca o protagonismo das mulheres no setor privado e realiza a primeira edição do prêmio Mulheres que Transformam.

“Queremos dar visibilidade e mostrar que temos excelentes profissionais no Brasil, que estão gerando impactos relevantes nos setores em que atuam”, diz Marta Pinheiro, diretora de ESG na XP e idealizadora do prêmio, que tem o apoio do InfoMoney.

 

PUBLICIDADE

As indicadas ao prêmio foram escolhidas por uma banca de curadoras reconhecidas no mercado brasileiro, como Rachel Maia, executiva com mais de 28 anos de experiência e consultora especializada em liderança e diversidade; Vivianne Senna, empresária, presidente do instituto Ayrton Senna, e Fiamma Zarife, diretora geral do Twitter Brasil. Veja a banca completa aqui.

Os critérios da banca foram as ações tomadas por mulheres que ajudaram a transformar diferentes mercados, como projetos de impacto social, publicações e criação de políticas internas para atingir a equivalência de gênero.

Na próxima semana, serão conhecidas as quatro finalistas em cada categoria de premiação: autora do ano, empreendedora do ano, empreendedora social, empreendedora cultural, economista do ano, educadora do ano, profissional tech do ano e profissional de destaque em finanças.

As premiadas serão selecionadas por meio de votação popular, a partir do dia 21 de fevereiro.

Marta Pinheiro lembra que o setor de tecnologia é um dos que menos têm mulheres. Por isso, no ano passado, a XP desenvolveu o Reprograma – educação para 140 jovens em situações vulneráveis, que durante seis meses tiveram formação na área de desenvolvimento de software.

A XP também assumiu um compromisso público de ter 50% de mulheres até 2025. A empresa, hoje, possui 26% de mulheres no quadro de funcionários.

Um estudo do Peterson Institute Economics apontou que ter mulheres em altos cargos executivos pode levar a um aumento de métricas de rentabilidade das companhias. Para chegar à conclusão, a organização utilizou uma base de dados de 22 mil empresas abertas de 91 países.

De acordo com o estudo, as companhias que aumentaram a presença de mulheres em até 30% em cargos de alta hierarquia tiveram um crescimento de 15% em sua rentabilidade.

Como votar nas finalistas

Será possível votar nas finalistas de cada uma das categorias entre os dias 21 e 28 de fevereiro, no site do prêmio.

As vencedoras serão conhecidas num evento online e gratuito, que será realizado no dia 3 de março.

“O prêmio é de mulheres para mulheres. Desde a organização até o dia da premiação. Tudo está sendo feito por mulheres. Temos muito orgulho disso”, afirma Jéssica Feitosa, analista sênior de reputação e comunicação corporativa da XP.

As vencedoras do prêmio vão receber um troféu – uma réplica da escultura da “Fearless Girl”, feita pela artista Sara Rosemberg – e uma mentoria com os principais executivos da XP Inc., uma das maiores instituições financeiras do Brasil.

De acordo com o estudo global da consultoria Deloitte “Mulheres no conselho”, apenas 12,7% das mulheres chegam ao cargo de diretora financeira, e somente 6% se tornam CEOs das principais empresas do mundo.

“A visibilidade ajuda na ascensão da carreira. Quanto mais a gente ajuda, mais prospera, mais aumenta as referências, mais exemplos e impactos gera. É importante ampliar essa visibilidade e botar lente de aumento”, diz Jéssica Feitosa.

About the author

You may also like

Luiz Alberto Machado escreve: Economia da desigualdade

  Luiz Alberto Machado[1]   “Os valores que