Bolsas europeias caem desde a abertura, de olho em Itália, Hong Kong e Argentina

Bolsas europeias caem desde a abertura, de olho em Itália, Hong Kong e Argentina

- in Últimas Notícias
0
Comentários desativados em Bolsas europeias caem desde a abertura, de olho em Itália, Hong Kong e Argentina

Estadão Conteúdo

As bolsas europeias operam em baixa desde o começo dos negócios desta terça-feira, à medida que investidores evitam comprar ações em meio a incertezas políticas na Itália, em Hong Kong e na Argentina. Indicadores locais fracos e a continuidade das tensões comerciais entre Estados Unidos e China também contribuem para o sentimento negativo na Europa
O Senado italiano se reúne hoje para definir a data de votação de uma moção de censura contra o governo do primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Na semana passada, o ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, decretou que seu partido, a Liga, não apoia mais Conte. Com isso, o também vice-premiê passou a pressionar por um voto de desconfiança contra o governo nos próximos dias. Salvini tem a expectativa de que Conte perca e renuncie, o que levaria a eleições antecipadas. Salvini almeja ser o próximo premiê e esperar ir às urnas o mais rápido possível para capitalizar a crescente popularidade da Liga, depois de revelar diferenças irreconciliáveis com seu parceiro na coalizão governista, o Movimento 5 Estrelas (M5S).

Também estão no radar as recentes manifestações em Hong Kong, que ontem levaram ao fechamento do aeroporto local, e o fraco desempenho do presidente da Argentina, Mauricio Macri, numa eleição prévia realizada no fim de semana. A derrota de Macri para o candidato kirchnerista ao governo federal, Alberto Fernández, levou o peso argentino e a bolsa do país a despencar ontem.

Além disso, os indicadores europeus desta terça foram desanimadores. Na Alemanha, o índice ZEW de expectativas econômicas caiu de -24,5 pontos em julho para -44,1 em agosto, atingindo o menor nível desde dezembro de 2011. A previsão era de queda bem menor, a -30 pontos. No Reino Unido, a taxa de desemprego subiu inesperadamente, de 3,8% no trimestre até maio para 3,9% nos três meses até junho, ajudando a libra a apagar perdas de mais cedo.

O apetite por risco na Europa já vinha fraco nos últimos tempos diante de crescentes sinais de que Estados Unidos e China não deverão resolver sua longa disputa comercial no curto prazo.

Às 7h31 (de Brasília), a Bolsa de Londres caía 0,49%, a de Paris recuava 0,55% e a de Frankfurt se desvalorizava 0,94%. Em Milão, Madri e Lisboa, as perdas eram de 0,63%, 0,59% e 0,16%, respectivamente. No mercado de câmbio, a libra se fortalecia a US$ 1,2082, de US$ 1,2078 no fim da tarde de ontem, e o euro seguia a mesma direção, avançando para US$ 1,1219, de US$ 1,1216 ontem. Com informações da Dow Jones Newswires.

You may also like

Clientes do BB podem pagar contas por assistente de voz do Google

Desde junho, correntistas podem usar ferramenta para pedir