Por que as usinas devem deixar etanol de lado neste fim de ciclo e na safra 2024/2025?

Por que as usinas devem deixar etanol de lado neste fim de ciclo e na safra 2024/2025?

- in Notícias
0
Comentários desativados em Por que as usinas devem deixar etanol de lado neste fim de ciclo e na safra 2024/2025?

Pasquale Augusto
Por Pasquale Augusto
16/11/2023 –

etanol açúcar
Produção do etanol a partir do milho deve ser um dos motivos que irá conter maior alta para o biocombustível; confira (Imagem: Reprodução)

Apesar do aumento no consumo de etanol no mercado interno brasileiro em 2023, as usinas têm apostado em um mix voltado mais ao açúcar, devido aos preços mais elevados da commodity.

Segundo Marcelo Di Bonifácio, analista da StoneX, é notável que as usinas têm optado pelo açúcar, já que os preços se consolidaram acima de US$ 0,26 e buscam firmeza em US$ 0,27.

“O acumulado de açúcar produzido na safra atual (23/24) até outubro já é maior que todo ciclo anterior (22/23), e ainda temos mais cinco meses até o fim da safra 23/24 em abril, sem contar com a entressafra. Dessa forma, temos
uma safra de maximização do mix em favor do açúcar, que deve continuar em 2024/2025 porque não há perspectiva para entrada de oferta de outros países, com o Brasil liderando a produção e as exportações do açúcar”, explica.

Com maior produção de açúcar, o etanol deve ter menor produção no Brasil. Apesar disso, não há certeza de maiores preços para o biocombustível.

“O etanol de milho tem ganho força, com grandes investimentos no Centro-Oeste, que deve ocupar maior parcela na cadeia do biocombustível, com maior foco da cana para o açúcar”, pontua.

 

2024 é o ano do etanol?

Por outro lado, para a StoneX, 2024 deve se iniciar já com um contexto tributário mais favorável ao etanol do que 2023, que contou com isenção de impostos federais para gasolina, que durou até março/23, e a limitação do ICMS de combustíveis na faixa entre 17% e 18% até junho/23.

Apesar da visão de um ganho da fatia do álcool hidratado em detrimento à gasolina, a perspectiva para a demanda pelo conjunto do Ciclo Otto deve se manter em alta, o que deve fazer com que o consumo do combustível fóssil fique em relativa estabilidade no próximo ano.

Com a gasolina mais cara, a paridade do etanol deve cair nos postos, o que estimula a escolha pelo biocombustível.

Na visão da consultoria, em seu relatório sobre o Ciclo Otto, essa tendência deve se intensificar no próximo ano, sobretudo durante o pico de safra da temporada sucroenergética 2024/25 (abr-mar) do Centro-Sul, que deve trazer aumento na oferta de hidratado no mercado nacional.

 

Leia também:

brasilagro fazendas dividendos

Ações
BrasilAgro (AGRO3): Novas vendas de fazenda em 2024? CFO cita perspectivas e pagamento de dividendos

jalles machado jall3

Ações
Jalles Machado (JALL3): CFO lista motivos para investir na ação e cita crescimento de 70% em 5 anos; confira

 

Pasquale Augusto
Pasquale Augusto
Repórter do Agro Times
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Agro Times desde março de 2023. Antes do Money Times, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio, além de ter trabalhado como produtor e repórter do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, um projeto exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.

You may also like

Comunicado!