EUA acirram guerra comercial com a China

EUA acirram guerra comercial com a China

- in Últimas Notícias
0
Comentários desativados em EUA acirram guerra comercial com a China

Depois de negociação entre países terminar sem acordo, presidente americano ordena taxação sobre quase todos os produtos importados da China. Anúncio indica que batalha econômica pode estar longe do fim.

    
Contêineres no porto de Tacoma, nos Estados UnidosContêineres no porto de Tacoma, nos Estados Unidos

Em meio ao impasse das negociações comerciais com a China, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu sinais de que não está disposto a uma trégua e está preparado para uma longa batalha econômica.

Depois de escrever em sua conta no Twitter que os dois dias de negociações em Washington, que terminaram nesta sexta-feira (10/05), foram “francos e construtivos”, Trump ordenou a imposição de tarifas a praticamente quase todos os bens chineses importados pelos Estados Unidos.

“O presidente ordenou que começássemos o processo de aumentar tarifas em praticamente todas as importações remanescentes da China, que estão estimadas em aproximadamente 300 bilhões de dólares”, anunciou o representante de Comércio Exterior dos EUA, Robert Lighthizer, num comunicado.

O anúncio ocorreu horas depois da entrada em vigor nos Estados Unidos do aumento das taxas alfandegárias sobre o equivalente a 200 bilhões de dólares de bens importados da China. Autoridades americanas subiram de 10% para 25% os impostos sobre mais 5 mil itens produzidos na China, incluindo modems e outros produtos de informática e também material de construção.

Com a taxação sobre outros 300 bilhões de dólares de bens chineses, o novo encargo afetará praticamente todo o volume de importações da China no país. Lighthizer não especificou se a tarifa aos produtos restantes será de 25% e se limitou a explicar que o presidente lhe ordenou “começar o processo para subir os impostos em basicamente todas as importações chinesas que restam”.

O representante americano deixou ainda em aberto quando esses novos encargos poderiam entrar em vigor e disse que na segunda-feira serão divulgados mais detalhes sobre essa medida. Ainda deve levar alguns meses até que as novas tarifas sejam aplicadas.

Até agora, a Casa Branca tentou proteger das tarifas alguns dos produtos manufaturados na China mais procurados pelos consumidores americanos, como os celulares iPhone e os tênis Nike, mas as novas tarifas também podem afetar essas marcas.

A decisão de Trump representa uma escalada na guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais e acontece em um momento especialmente delicado. Representantes de China e EUA se reuniram em Washington por dois dias para uma nova rodada de negociações, mas novamente não chegaram a um acordo.

Com o impasse, os EUA aumentaram os encargos anunciados anteriormente e ameaçaram taxar os produtos restantes. As novas tarifas representam a ruptura da trégua comercial estipulada no final de 2018 entre Washington e Pequim, algo que esta semana provocou perdas nas bolsas de valores de todo o mundo.

A China afirmou que responderá na mesma moeda, o que deve agravar a guerra comercial entre os dois países, caso não se chegue a um acordo nos próximos dias. Após a entrada em vigor da nova tarifa, o Ministério do Comércio chinês anunciou, sem dar mais detalhes, que tomaria “as contramedidas necessárias”.

Pequim tem uma série de cartas na manga, incluindo um novo aumento de taxas sobre bens americanos e investigações antitruste que podem dificultar as operações das empresas americanas no seu mercado.

Apesar da escala no conflito, o vice-premiê chinês, Liu He, que representou Pequim nas reuniões em Washington, afirmou, em entrevista à imprensa americana, que as negociação não entraram em colapso e que é normal haver pequenos contratempos. “Estamos cautelosamente otimistas em relação ao futuro”, destacou.

Liu admitiu, porém, que Pequim e Washington têm diferenças, embora descarte que seu país tenha recuado nos acordos alcançados em rodadas anteriores da negociação. “A China acredita que as tarifas são o ponto de partida dos confrontos comerciais, se temos que chegar a um acordo, temos que eliminar todos os impostos, esse é o primeiro ponto”, afirmou.

Um segundo ponto gira em torno do desejo dos EUA de que a China se comprometa a comprar um número maior de produtos americanos, a fim de equilibrar uma balança comercial inclinada em favor do país asiático. “Este é um assunto muito sério”, acrescentou Liu. “Nós deixamos muito claro que não podemos fazer concessões em questões de princípios, como mostrar-se abertos à cooperação e ser respeitosos.”

Os governos das duas maiores economias do mundo já impuseram taxas alfandegárias sobre centenas de bilhões de dólares às exportações de cada um. Os chineses impuseram taxas sobre importações americanas no valor de 110 bilhões de dólares.

Um dos pontos de discórdia é a política de Pequim para o setor tecnológico, que visa transformar as empresas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energias renováveis, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que essa estratégia, impulsionada pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, quando Pequim força, por exemplo, empresas estrangeiras a transferirem tecnologia ou dá subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Em dezembro passado, Washington e Pequim acordaram um período de tréguas, mais tarde prolongado. No domingo, Trump quebrou a trégua e anunciou que os EUA iriam aumentar as taxas alfandegárias, acusando os chineses de voltarem atrás em compromissos feitos anteriormente.

Trump criticou duramente o déficit comercial dos Estados Unidos com a China, que atingiu 419 bilhões de dólares em 2018, afirmando que essa situação elimina empregos na indústria dos Estados Unidos. Esse discurso é bem recebido pela base de apoiadores de Trump nos Estados Unidos. O presidente busca a reeleição em 2020.

CN/efe/lusa/ap/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo

You may also like

EUA confirmam apoio à candidatura do Brasil à OCDE

Formalização de apoio é clara mudança de postura